SELETIVIDADE DE HERBICIDAS EM REBENTOS DE QUATRO ESPÉCIES FLORESTAIS NATIVAS DE FLORESTAS ESTACIONAIS SEMIDECIDUAIS DE SÃO PAULO

O conhecimento escasso sobre o comportamento de rebentos de espécies florestais sob a ação de herbicidas, no que diz respeito à seletividade justifica este ensaio, que tem como objectivo pesquisar protocolos de utilização adequada de herbicidas em áreas de reflorestamento. Foi conduzido um ensaio a campo no Centro de Ciências Agrárias/UFSCar, Araras-SP. Os herbicidas utilizados foram: diuron + hexazinone (1097 + 27,77 g s.a. ha-1), clomazone + ametrina (1,5 + 1,0 g s.a. ha-1), imazapyr (750 g s.a. ha-1) e sulfentrazone (1200 g s.a. ha-1) aplicados sobre rebentos de Acacia polyphylla, Ceiba speciosa, Enterolobium contortisiliquum e Luehea divaricata, com aproximadamente de 20 a 25 cm de altura. Foram realizadas avaliações visuais 60 dias após aplicação (DAA), altura, diâmetro do caule e biomassa das plantas aos 80 DAA. O sulfentrazone e imazapyr não provocaram fitotoxicidade significativa em nenhuma das espécies estudadas, podendo ser utilizados no controle de plantas infestantes em áreas de reflorestamento. O herbicida clomazone + ametrina provocou fitotoxicidade acentuada (90-100%) nas espécies A. polyphylla e L. divaricata. O diuron + hexazinone causou 100% de fitotoxicidade nas espécies L. divaricata e na dose superior provoca fitotoxicidade acima de 70% em E. contortisiliquum e em A. polyphylla, não alterando a altura e diâmetro de caule destas últimas espécies citadas.