INTERFERÊNCIA DE COMUNIDADE INFESTANTE EM SOJA CULTIVADA EM SISTEMA DE SEMENTEIRA DIRECTA

importantes no crescimento, desenvolvimento e produção da cultura da soja. Objetivou-se avaliar os efeitos de períodos crescentes de uma comunidade infestante na cultura da soja em termos de produtividade. Realizou-se um ensaio em Jaboticabal, SP, Brazil, utilizando-se do delineamento inteiramente casualizado com doze repetições. Os tratamentos constaram de períodos de convivência das plantas daninhas com a cultura desde a emergência até os 7, 14, 21, 28, 35, 42, 56 e 70 dias do ciclo cultural, mantendo uma testemunha sem infestantes e uma com infestantes até a colheita. A comunidade infestante foi caracterizada pela importância relativa das espécies, em que Acanthospermum hispidum, Commelina benghalensis, Alternanthera tenella, Digitaria bicornis e Sida santaremnensis foram as principais espécies. A soja foi colhida aos 131 dias após a sementeira e não foram observadas diferenças significativas na densidade populacional e no peso de 100 grãos. A altura das plantas, número de vagens por planta, número de grãos por vagem e a produção total de grãos foram reduzidos pela interferência das plantas daninhas. O período anterior à interferência na produtividade da soja foi de cinco dias após a emergência e a perda de produtividade foi de 54,65% quando a comunidade infestante não foi submetida ao controlo