INFLUÊNCIA DE DIFERENTES HERBICIDAS NO COMPORTAMENTO DE BRACHIARIA DECUMBENS SUBMETIDAS A ESTRESSE HÍDRICO

O presente trabalho teve como objetivo avaliar a eficiência de controle de herbicidas inibidores da ACCase aplicados em pós-emergência em plantas de Brachiaria decumbens Stapf, submetidas a diferentes teores de água no solo. O delineamento utilizado foi inteiramente casualizado, com quatro repetições, constituído de um fatorial 3X3, sendo três manejos hídricos (-0,03; -0,07 e -1,5 MPa), três herbicidas (fluazifop-p-butil, haloxyfop-methyl e sethoxydim + óleo mineral Assist) dose recomendada, em dois estádios das plantas. Foram realizadas avaliações visuais de fitotoxicidade aos 7, 14, 21 e 28 dias após a aplicação (DAA). Os parâmetros fisiológicos avaliados foram: condutância estomática, transpiração e temperatura da folha. Após 28 DAA utilizando 100% da dose recomendada, plantas que receberam aplicação com 4 folhas, mantidas sem estresse hídrico, obtiveram até 93% de controle para os herbicidas sethoxydim e haloxyfop e 70% com o fluazifop. Já os tratamentos submetidos a déficit hídrico (-1,5 MPa) apresentaram uma redução no controle de até 27%. Quando a aplicação dos herbicidas foi realizada em plantas com 2-3 perfilhos, observa-se maior controle nos tratamentos mantidos a -0,03 MPa, sendo o herbicida sethoxydim com melhor eficiência. Em plantas sem aplicação de herbicidas, verifica-se uma redução de 57% na condutância estomática, 52% na transpiração e diferença planta-ar de até -8,2oC em plantas sob restrição hídrica (-1,5 MPa).