AVALIAÇÃO DA ATIVIDADE ALELOPÁTICA DO DECOCTO DE FOLHAS DE SCHINUS TEREBINTHIFOLIUS FRENTE À ESPÉCIE DANINHA BIDENS PILOSA.

A alelopatia visa estudar a interação de compostos químicos que favorecem ou prejudicam processos biológicos, a exemplo da germinação, crescimento e desenvolvimento das plantas. O presente trabalho foi realizado na Universidade Estadual do Norte Fluminense, no intuito de avaliar a atividade alelopática dos constituintes químicos polares presentes no decocto de folhas de S. terebinthifolius Raddi. O experimento foi realizado a partir das folhas secas de aroeira (357,6 g), que foram submetidas a decocão (20% p/v) por 10 min a 95ºC. Para os tratamentos o decocto (pH 5,0) foi analisado nas concentrações de 100; 75; 50; 25; 12,5 % e utilizando-se água como dose inicial. Estas amostras foram aplicadas sobre trinta sementes de B. pilosa L. dispostas sobre papel germiteste em placas de Petri, mantidas em câmara de germinação (B.O.D.) à temperatura de 27/25º C e fotoperíodo de 8/16 horas, seguindo delineamento inteiramente casualizado, com quatro repetições. Todos os parâmetros avaliados foram significativos estatisticamente. O parâmetro comprimento de parte aérea não se ajustou a modelos de regressão. Os parâmetros comprimento de raiz, biomassa seca e biomassa fresca foram inibidos com o aumento da concentração do decocto. Observou-se para os parâmetros biomassa fresca e biomassa seca efeito estimulatório a baixas concentrações, porém com o aumento da concentração houve inibição dos mesmos. Os parâmetros percentual de germinação e índice de velocidade de germinação responderam linearmente, aumentando a inibição a medida que se aumentou a concentração do decocto.