SELETIVIDADE DE HERBICIDAS APLICADOS EM PÓS-EMERGÊNCIA EM MANIHOT ESCULENTA

Este trabalho tem como objetivo avaliar seletividade de diferentes herbicidas aplicados em pós-emergência na cultura da mandioca (Manihot esculenta) nas cultivares IAC-14 e IAC576-70. O ensaio foi instalado no município de São Manuel/SP, Brasil no ano agrícola de 2008. Os tratamentos utilizados foram: haloxyfof-metil (48 g ha-1), sethoxydim (200 g ha-1), fluazifop-p-butilo (100 g ha-1), quizalofop-p-etilo (75 g ha-1), fomezafen (225 g ha-1) e bentazon (720 g ha-1), aplicados quando as plantas apresentavam 5 folhas, além de uma testemunha sem aplicação e outra mantida com mato. Foi utilizado o delineamento em blocos ao acaso com quatro repetições. Utilizou-se um pulverizador costal, pressurizado a CO2 e equipado com barra de aplicação com cinco bicos Teejet XR 110 02VS, com um consumo de calda de 200 L ha-1. As avaliações visuais de fitotoxicidade foram realizadas aos 7, 14, 21 e 28 dias após a aplicação. A avaliação de fitotoxicidade foi realizada através de uma escala visual, onde 0% significava nenhum sintoma de fitotoxicidade e 100% significava a morte total das plantas. Os herbicidas bentazon e fomezafen foram às únicas moléculas que proporcionaram injurias drásticas as cultivares e quizalofop-p-etilo foi o único herbicida que não causou nenhum sintoma visual as plantas, sendo necessário avaliar os danos na produção de peso seco e raízes.