CONTROLO QUÍMICO EM PÓS-EMERGÊNCIA DE BRACHIARIA DECUMBENS E BRACHIARIA PLANTAGINEA

O objetivo deste trabalho foi avaliar a eficácia do controlo de herbicidas inibidores da enzima ACCase, aplicados em pós-emergência, em três estádios de desenvolvimento de Brachiaria decumbens e Brachiaria plantaginea. A sementeira destas espécies foi feita em vasos plásticos, e as plantas mantidas em casa de vegetação. Foram testados os herbicidas fluazifope-P-butilo na dose de 150 g s.a ha-1 (substância activa), haloxifope-metilo a 50 g s.a ha-1e setoxidime a 230 g s.a ha-1. As aplicações foram realizadas em plantas com 4-6 folhas (estádio 1), em plantas com 3-4 perfilhos (estádio 2) e em plantas adultas no início do florescimento (estádio 3). As avaliações visuais de controlo foram realizadas aos 4, 7, 10, 14, 17, 21, 24 e 28 dias após a aplicação dos herbicidas. Os resultados da percentagem da eficácia e do peso seco da parte aérea das plantas foram submetidos à análise de variância (teste F) e as médias comparadas pelo teste Tukey a 5% de probabilidade. O herbicida setoxidime foi o mais eficaz no controlo das espécies de Brachiaria, nos três estádios de desenvolvimento estudados. Em geral, B. decumbens apresentou resposta similar a B. plantaginea, em relação à fitoxidade dos herbicidas testados. Os dados referentes ao peso seco da parte aérea das plantas confirmaram os resultados das avaliações visuais do controlo químico.