CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS DO GÊNERO IPOMOEA EM PLANTIO DE CANA-DE-AÇÚCAR COM APLICAÇÕES DE AMICARBAZONE EM PÓS-EMERGÊNCIA DIRIGIDA

Dentre as prováveis causas para o incremento significativo do banco de sementes das plantas daninhas do gênero Ipomoea (corda de viola) na cultura da cana-de-açúcar, destaca-se o uso de herbicidas residuais de baixa eficácia em cana planta, tornando-se necessárias aplicações complementares com herbicidas de ação específica sobre estas espécies. Sendo assim, este trabalho foi desenvolvido com o objetivo de avaliar a ação de controle complementar do herbicida amicarbazone sobre a corda de viola em cana-planta, em áreas que receberam a aplicação de sulfentrazone. Amicarbazone nas doses de 420; 560; 700 e 840 g ha-1, em mistura com 670g ha-1 de 2,4-D, foi aplicado em cana-planta, em pós-emergência dirigida, após tratamento pré-plantio e pós-plantio com sulfentrazone. O delineamento experimental foi inteiramente casualizado, com quatro repetições. Foram avaliados o controle percentual, fitotoxicidade e produtividade final de colmos, e posteriormente analisadas estatisticamente por meio da aplicação do teste F na análise da variância, seguido da comparação de médias pelo teste de Tukey, ambos com 5% de significância. O amicarbazone controlou as cordas-de-viola remanescentes da aplicação do sulfentrazone, alcançando resultados superiores a 90% de controle em todas as avaliações e doses utilizadas, e de forma seletiva para a cana-de-açúcar. Desta forma, o sistema de manejo de plantas daninhas em cana-planta envolvendo a aplicação de sulfentrazone em pré-plantio e em pré-emergência, mais amicarbazone em mistura com 2,4-D, aplicado em jato dirigido constitui-se opção seletiva de herbicidas para o controle de corda-de-viola.