COMPETIÇÃO DE ESPÉCIES DO GÊNERO BRACHIARIA COM A SOJA (GLYCINE MAX)

Há a necessidade de se compreender melhor as relações de competição dentro do sistema de integração lavoura-pecuária para um aprimoramento no manejo de plantas daninhas nesse sistema. Este trabalho teve como objetivo avaliar a competição entre espécies do gênero Brachiaria com a cultura da soja pelo método substitutivo. Para isso, utilizou-se uma população fixa de 24 plantas por vaso com diâmetro 26,5 cm, variando-se as proporções de plantas de soja e de Brachiaria spp. O experimento apresentou um esquema fatorial 3×5, com duas cultivares de B. brizantha (Marandu e Piatã) e uma de B. decumbens (Basilisk) e cinco proporções de plantas (%soja:%Brachiaria): 0:100; 25:75: 50:50; 75:25; 100:0. O delineamento experimental foi de blocos ao acaso com quatro repetições. Efetuaram-se as análises a partir da massa seca obtida para cada tratamento. Observou-se que a soja é mais competitiva que as espécies do gênero Brachiaria para a mesma proporção de plantas. A competição intra e interespecífica apresentaram valores muito próximos para a soja e as espécies de Brachiaria. Assim, a competitividade relativa da soja e das espécies de Brachiaria foi próxima a 1,0, determinando-se que uma planta de soja equivale a uma planta de Brachiaria spp. e vice-versa. O índice de diferenciação de nicho ecológico também foi próximo a 1,0 e do limite que determina que não houve diferenciação de nicho ecológico entre a soja e as espécies de Brachiaria, ou seja, houve competição pelos fatores ambientais. Mais informações sobre competição são necessárias para permitir a implantação da integração lavoura-pecuária com sucesso.