AVALIAÇÃO DA FITOTOXICIDADE DE TRÊS ESPÉCIES FLORESTAIS NATIVAS: CEDRELA FISSILIS, SCHIZOLOBIUM PARAHYBA E CALOPHYLLUM BRASILIENSIS, A HERBICIDAS UTILIZADOS NA CULTURA DA CANA-DE-AÇÚCAR.

Visando o plantio de árvores associado à cultura da cana-de-açúcar em sistema de aléias, procurou-se avaliar o efeito fitotóxico de herbicidas registrados para a referida cultura, sobre três espécies florestais nativas, Cedrela fissilis – Cedro, Schizolobium parahiba – Guapuruvú e Calophyllum brasiliensis – Guanandi. O experimento foi conduzido em campo no Centro de Ciências Agrárias/UFSCar, em Araras, SP. Os produtos utilizados foram: maturador etil-trinexapac (300 g i.a ha-1); diuron + hexazinone (1170 + 330 g i.a ha-1); diuron + hexazinone (1330 + 160 g i.a ha-1); clomazone + ametrina (1500 + 1000 g ha-1); ametrina (3000 g i.a ha-1); metribuzin (1920 g i.a ha-1), além de testemunha. A seletividade dos herbicidas às plantas de interesse foi avaliada visualmente aos 07, 18 e 26 dias após aplicação (DAA). Os resultados permitem concluir que os herbicidas testados não causaram injurias permanentes nas espécies nativas estudadas, significando que essas espécies poderão ser utilizadas em um sistema de produção de cana de açúcar com aléias de espécies nativas, ou mesmo ser utilizadas em áreas de reflorestamento próximo aos campos de cultura da cana, onde existe a possibilidade de deriva da aplicação do herbicida.